Trabalhos científicos da VI FitoRJ

Quatro trabalhos foram apresentados à comissão científica durante a VI Jornada de Fitoterapia do Rio de Janeiro “Roberto Boorhem”. Um destes foi escrito pelo médico Augusto Fernando Petit Prieto, um dos associados da ABFIT:

Análise de caso clínico: reversão de oligospermia mediante uso da planta Lepidium meyenii walp (Maca Peruana).

“O Lepidium meyenii walp. é um tubérculo perene proveniente das terras altas do Perú que cresce em terras pobres e inóspitas. É utilizada na medicina popular para o tratamento da infertilidade, e para aumento do desejo sexual. Relatamos o caso de um paciente do sexo masculino, com 31 anos de idade, portador de talassemia que era portador de oligospermia. Após 1 ano de tratamento com a ingestão de 500 mg duas vezes por dia do extrato seco de Lepidium meyenii walp, apresentou um aumento de volume no esperma, aumento do número de espermatozoides e o grau de vitalidade maior dos espermatozoides”. Veja aqui o trabalho completo.

O trabalho de Felipe Tavares, da Unirio, versou sobre a unha de gato. Consta no resumo: “A Uncaria tomentosa é uma planta medicinal amazônica, conhecida popularmente como unha-de-gato, usada durante séculos pela população indígena peruana, tendo uma vasta aplicabilidade e potencial na terapêutica clínica de pacientes com HIV, tendo inúmeras atividades descritas, dentre elas, anti-inflamatória, antioxidante, microbicida, antitumoral e antiviral”.  Veja aqui o trabalho completo.

Já Rafaela Loro Granda, junto com seus co-autores fizeram a proposição de dois trabalhos. O primeiro propondo uma prospecção tecnológica dos usos da erva mate.  “Nos últimos anos, uma das tendências das indústrias farmacêutica e alimentícia é o desenvolvimento de produtos utilizando componentes de origem natural. Dentro desse contexto destaca-se a erva-mate (Ilex paraguariensis st. hil.), cuja infusão, a partir de folhas secas, possui compostos bioativos com propriedades terapêuticas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o perfil de utilização da erva-mate na indústria farmacêutica e alimentícia, através da análise da literatura acadêmica e patentária. Foram realizadas buscas de artigos científicos na base Web of Science e de pedidos de patente nas bases Latipat e Espacenet. Foram encontradas 875 publicações científicas relacionadas a diversas atividades da planta, e a maior parte descreve pesquisas relacionadas a tratamentos e possíveis mecanismos de ação da erva-mate no tratamento de câncer, diabetes, obesidade e outras doenças. Quanto às patentes, foram encontrados 122 documentos pertinentes, sendo as empresas os principais depositantes. A distribuição tecnológica está concentrada principalmente na indústria alimentícia, farmacêutica, além de cosmética e higiene. Conclui-se que o interesse acadêmico em relação aos benefícios do uso da erva-mate no tratamento de diversas doenças começa a se refletir no desenvolvimento de produtos farmacêuticos e alimentícios. Tendo em vista que os indícios científicos se mostram favoráveis ao consumo, este poderia ser estimulado como parte de uma dieta saudável”. Veja aqui o trabalho completo.

O segundo trabalho apresentado pela acadêmica foi intitulado: Mapeamento de plantas medicinais utilizadas no tratamento de doenças inflamatórias através de documentos de patentes. “As plantas medicinais são largamente utilizadas desde os primórdios da civilização na prevenção e tratamento de diversas doenças, incluindo a inflamação, que está intimamente relacionada ao surgimento e/ou progressão de doenças como hipertensão, diabetes mellitus e câncer. Além disso, as preparações fitoterápicas representam um mercado que movimenta bilhões de dólares no mundo. Neste sentido o Brasil, um país com uma das maiores biodiversidades do mundo, está em uma posição privilegiada. O objetivo deste trabalho foi investigar a utilização das plantas medicinais incluídas na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) em doenças inflamatórias, utilizando documentos de patentes. A busca realizada na base Derwent Innovations Index recuperou 191 patentes já concedidas. As doenças dermatológicas, seguidas das doenças orais e doenças gastrointestinais foram as principais reivindicadas nos documentos encontrados. A Aloe vera foi a planta mais utilizada, em sua maioria em formulações de uso tópico associadas a doenças dermatológicas. Os resultados deste mapeamento podem identificar novos medicamentos fitoterápicos inovadores de interesse para a indústria e para o Ministério da Saúde”. Faça o download do arquivo completo aqui.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *